Impala

Cabo Verde disponível para acolher centro de coordenação marítima do Golfo da Guiné

Cabo Verde manifestou hoje a sua disponibilidade para acolher um dos centros de coordenação e vigilância marítima na sub-região do Golfo da Guiné e pediu apoio técnico e financeiro para a sua montagem.

Praia, 02 dez (Lusa) – Cabo Verde manifestou hoje a sua disponibilidade para acolher um dos centros de coordenação e vigilância marítima na sub-região do Golfo da Guiné e pediu apoio técnico e financeiro para a sua montagem.


A disponibilidade cabo-verdiana foi manifestada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, Luís Filipe Tavares, dna abertura da segunda reunião anual do grupo G7 ++ Amigos do Golfo da Guiné (G7++FoGG), que decorre hoje na capital cabo-verdiana.


“Cabo Verde disponibiliza-se para alojar o centro multinacional de coordenação marítima da zona G (Cabo Verde, Senegal Guiné-Bissau e Gâmbia), desde que a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e os parceiros internacionais se comprometam a ajudar na sua operacionalização, disponibilizando os apoios técnicos e financeiros necessários”, disse.


Luís Filipe Tavares falava perante uma plateia de representantes dos sete países mais industrializados (G7), de membros do grupo dos Amigos do Golfo da Guiné e de representantes de países da costa africana, que durante o encontro irão analisar a segurança marítima na sub-região por onde passam algumas das principais rotas comerciais, mas também de atividades ilícitas como o tráfico de droga e a pirataria.


“Este fórum poderá ser uma excelente oportunidade para apreciar as modalidades de apoio à implementação deste importante instrumento de combate à insegurança no mar”, considerou o ministro.


À margem da reunião, Luís Filipe Tavares sublinhou, em declarações aos jornalistas, não existir “nenhum outro sítio mais adequado para acolher um centro desta importância”, destacando a localização geoestratégica e estabilidade do país.


O ministro disse ainda acreditar que da reunião da Praia sairá a “vontade inequívoca dos países do G7 em ajudar os países do Golfo da Guiné na estruturação dos centros de combate à pirataria marítima e à criminalidade organizada nesta sub-região”.


Por seu lado, o embaixador Joaquim Ferreira Marques, que coordenou a presidência portuguesa do grupo de Amigos do Golfo da Guiné, destacou à agência Lusa o papel de Cabo Verde na segurança da região.


“Dada a sua estabilidade política e a sua importância geoestratégica nesta zona, Cabo Verde é primordial para controlar a passagem de droga, mas não tem as capacidades técnicas nem financeiras para ter aqui um centro”, disse.


Por isso, acrescentou, a reunião servirá para que os “países do norte possam ajudar Cabo Verde a ter aqui um centro de informação e observação de trânsito marítimo”.


A reunião do grupo, presidido em 2016 por Portugal, junta na cidade a Praia técnicos de alto nível dos países membros para fazer o ponto de situação sobre a segurança na sub-região africana.


Participam também representantes de países da sub-região como a Nigéria, Togo e Costa do Marfim, além de organizações como a CEDEAO e a União Africana.


O grupo do G7 + Amigos do Golfo da Guiné é composto pela Alemanha, Canadá, Estados unidos, Itália, Japão, Reino Unido, França, Bélgica, Brasil (observador), Coreia do Sul, Dinamarca, Espanha, Noruega, Países Baixos, Portugal, Suíça, União Europeia, escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime e Interpol.



CFF // MP


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Cabo Verde disponível para acolher centro de coordenação marítima do Golfo da Guiné

Cabo Verde manifestou hoje a sua disponibilidade para acolher um dos centros de coordenação e vigilância marítima na sub-região do Golfo da Guiné e pediu apoio técnico e financeiro para a sua montagem.