Impala

Assunção Cristas quer saber valor atual da dívida e cola Costa à governação de Sócrates

A presidente do CDS-PP insistiu em questionar o primeiro-ministro sobre o atual valor da dívida pública, alertou para os juros e as perceções de risco e acusou António Costa de falta de crítica à governação Sócrates.

Lisboa, 27 (Lusa) – A presidente do CDS-PP insistiu hoje em questionar o primeiro-ministro sobre o atual valor da dívida pública, alertou para os juros e as perceções de risco e acusou António Costa de falta de crítica à governação Sócrates.


“Olhe para os juros da dívida, olhe para os seus parceiros – dia sim, dia não, a falar da reestruturação da dívida -, diga-me se acha que isso é irrelevante do ponto de vista da perceção de risco do país e diga-me, se puder, quanto é que é a dívida pública de Portugal neste momento”, questionou Assunção Cristas.


O primeiro-ministro respondeu que “as estatísticas são conhecidas”, considerando que “não é aceitável” que a líder centrista diga que o Governo, que reduziu num ponto percentual a dívida líquida, “não dá importância ao tema da dívida”.


“Depois desta sua resposta, saio deste debate ainda mais preocupada. Vejo um primeiro-ministro que nem sequer tem a coragem de dizer nesta casa um número que ainda não é conhecido do público em geral, se fosse conhecido tinha-o aqui para lhe mostrar, o número da dívida do final do ano de 2016”, insistiu Assunção Cristas.


“Isso significa que o tema da dívida não é relevante e isso mostra muita falta de memória, de capacidade crítica, falta aquilo que o senhor nunca foi capaz de fazer, uma revisão e uma análise do que foi a governação Sócrates que nos levou à bancarrota”, acusou.



ACL // VAM


By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Assunção Cristas quer saber valor atual da dívida e cola Costa à governação de Sócrates

A presidente do CDS-PP insistiu em questionar o primeiro-ministro sobre o atual valor da dívida pública, alertou para os juros e as perceções de risco e acusou António Costa de falta de crítica à governação Sócrates.