Impala

Algumas dezenas de guardas prisionais concentrados junto à residência do PM

Cerca de quatro dezenas de guardas prisionais estão concentrados junto à residência do primeiro-ministro, em Lisboa, para protestar contra a falta de promoções, o pagamento de subsídio de turno/noturno “e o fim do trabalho escravo”.

Lisboa, 24 jan (Lusa) — Cerca de quatro dezenas de guardas prisionais estão concentrados junto à residência do primeiro-ministro, em Lisboa, para protestar contra a falta de promoções, o pagamento de subsídio de turno/noturno “e o fim do trabalho escravo”.


A vigília foi convocada pelo Sindicato Nacional do Corpo de Guarda Prisional, que também já anunciou uma greve para 07 e 08 de fevereiro.


Segundo o presidente do sindicato, Jorge Alves, os guardas prisionais lutam por promoções a guarda principal, chefe e chefe principal, pela atualização da tabela remuneratória equiparada à PSP, pelo fim do trabalho escravo e pelo pagamento de subsídio de turno ou trabalho noturno.


Munidos com apitos, os guardas prisionais estão concentrados com bandeiras e com uma faixa central, colocada nas baias de proteção, onde se leem as principais reivindicações que motivaram este protesto.



CC // PMC

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Algumas dezenas de guardas prisionais concentrados junto à residência do PM

Cerca de quatro dezenas de guardas prisionais estão concentrados junto à residência do primeiro-ministro, em Lisboa, para protestar contra a falta de promoções, o pagamento de subsídio de turno/noturno “e o fim do trabalho escravo”.