Impala

Governo angolano já gastou 170 milhões de euros no registo eleitoral

O Governo angolano gastou cerca de 30 mil milhões de kwanzas (170 milhões de euros) na primeira fase do registo eleitoral para as eleições previstas para agosto próximo, dos 40 mil milhões (230 milhões de euros) do orçamento global.

Luanda, 13 jan (Lusa) — O Governo angolano gastou cerca de 30 mil milhões de kwanzas (170 milhões de euros) na primeira fase do registo eleitoral para as eleições previstas para agosto próximo, dos 40 mil milhões (230 milhões de euros) do orçamento global.


“O orçamento do registo eleitoral tem a fase 2016 e 2017 e nós temos de fasear no tempo a execução orçamental, creio que globalmente nós teremos despendido nesta altura pouco mais de trinta mil milhões de kwanzas”, disse hoje aos jornalistas o secretário de Estado para os Assuntos Institucionais do Ministério da Administração do Território de Angola, Adão de Almeida.


O governante, que falava no final da reunião nacional de balanço da primeira fase do registo eleitoral e perspetivas para 2017, afirmou que o processo está a ser gerido com a “maior racionalização” possível, de forma a não se ultrapassar o “limite orçamental global”.


A segunda fase do registo eleitoral em Angola começou a 05 de janeiro e prolonga-se até 31 de março. A primeira fase do processo foi aberta a 25 de agosto de 2016 e decorreu até 20 de dezembro, e até agora foram registados mais de seis milhões de cidadãos.


Segundo o responsável, houve já mais de 1,1 milhões de novos registos a nível nacional, um número que “revela eficácia no plano de mobilização juvenil ao processo”.


“Em termos globais, o processo durante a primeira fase correu bem e dentro das nossas expectativas”, conclui o secretário de Estado.



DYAS // VM


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Governo angolano já gastou 170 milhões de euros no registo eleitoral

O Governo angolano gastou cerca de 30 mil milhões de kwanzas (170 milhões de euros) na primeira fase do registo eleitoral para as eleições previstas para agosto próximo, dos 40 mil milhões (230 milhões de euros) do orçamento global.