GNR: Mulheres são obrigadas a levar os filhos para o posto

GNR: Mulheres são obrigadas a levar os filhos para o posto

Algumas militares da GNR estão a ser obrigadas a levar os filhos para o posto por não terem onde os deixar de manhã, ainda antes da entrada na escola.

Algumas militares da GNR estão a ser obrigadas a levar os filhos para o posto por não terem onde os deixar de manhã, ainda antes da entrada na escola.

As militares que têm filhos pequenos estão a ser obrigadas a levá-los para os postos porque não lhes é concedida flexibilidade pelos comandantes. Às sete da manhã, não tendo local para deixar os filhos pequenos, as mulheres da GNR, para cumprir horários –não estando os infantários ou escolas abertos – estão a levar os filhos para o trabalho.

Um tribunal de Braga já aceitou uma providência cautelar e Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) fala em «assédio laboral».

A história é avançada pelo Jornal de Notícia que frisa existirem vários casos espalhados pelo país.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceitou a providência cautelar de uma militar que era obrigada a praticar o horário das 7h às 16h.  O tribunal já suspendeu a ordem do comandante, alegando que caso  a mulher cumprisse aquele horário estaria a «violar o cumprimento das suas responsabilidades parentais».

A mulher e o marido são ambos militares em Guimarães e a praticar o horário das 7h às 16h, ficam sem ninguém que possa levar as duas filhas pequenas à escola. A militar pediu para trabalhar das 8h às 17h  mas foi-lhe negado.

Há ainda outro caso, em Braga, de uma militar que leva ofilho para o posto todos os dias às 7h. Leva-o mais tarde à escola, pelas 9h, quando outros profissionais chegam a posto.

LEIA MAIS: Sporting: GNR fez 23 detenções, apreendeu 5 viaturas e recolheu 36 depoimentos


RELACIONADOS

GNR: Mulheres são obrigadas a levar os filhos para o posto

Algumas militares da GNR estão a ser obrigadas a levar os filhos para o posto por não terem onde os deixar de manhã, ainda antes da entrada na escola.