Impala

Santa Casa arranca com jogo online “a muito breve prazo” – Negócios

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai entrar no mercado do jogo ‘online’ “a muito breve prazo, logo que seja emitida a licença pela entidade reguladora”, adiantou ao Negócios o vice-provedor da instituição.

Lisboa, 05 jan (Lusa) – A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) vai entrar no mercado do jogo ‘online’ “a muito breve prazo, logo que seja emitida a licença pela entidade reguladora”, adiantou ao Negócios o vice-provedor da instituição.


Eduardo Martinho disse ao Negócios que a Santa Casa formalizou na quarta-feira a constituição do consórcio que vai explorar o jogo ‘online’, sob o nome Sociedade de Apostas Iniciais.


O consórcio tem como acionistas a SCML (54%), a União das Misericórdias Portuguesas (16%), a Fundação Montepio (15%), a Cáritas Portuguesas e a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO), ambas com 7,5% do capital.


O vice-provedor e presidente do Conselho de Administração da Santa casa revelou que a licença pedida abrange a exploração de “apostas desportivas à cota, apostas hípicas mútuas e jogos de fortuna ou azar”, mas a disponibilização dos diferentes tipos de jogos “não está completamente fechada”.


Eduardo Martinho, que vai liderar também a nova sociedade, garantiu ao Negócios que os acionistas estão “totalmente comprometidos na mobilização dos recursos necessários a um projeto de grande ambição”.


O administrador da Santa Casa rejeitou ainda a ideia de que os novos jogos venham prejudicar o negócio dos jogos tradicionais, alegando que “o perfil do utilizador é distinto”.


“Os jogos a disponibilizar terão natureza e modelos diferenciados, pelo que a convicção é a de que não haverá um impacto negativo na receita dos outros jogos explorados pela Santa Casa, através do seu Departamento de Jogos”, concluiu Eduardo Martinho.



JPS // JPS


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Santa Casa arranca com jogo online “a muito breve prazo” – Negócios

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai entrar no mercado do jogo ‘online’ “a muito breve prazo, logo que seja emitida a licença pela entidade reguladora”, adiantou ao Negócios o vice-provedor da instituição.