Impala

PR enaltece independência ética, política e económica mas adverte que esta exige “rigor”

O Presidente da República declarou esta quinta-feira, Dia da Restauração, “celebrar o futuro, mais que o passado e o presente” de Portugal, e enalteceu a independência ética, política e económica do país, embora lembrando a necessidade de “rigor”.

*** Serviços vídeo e áudio disponíveis em www.lusa.pt ***


Lisboa, 01 dez (Lusa) – O Presidente da República declarou hoje, Dia da Restauração, “celebrar o futuro, mais que o passado e o presente” de Portugal, e enalteceu a independência ética, política e económica do país, embora lembrando a necessidade de “rigor” neste ponto.


“O que celebramos e celebraremos sempre é a nossa pátria e a nossa independência”, vincou Marcelo Rebelo de Sousa, falando em Lisboa nas comemorações do 1.º de Dezembro.


Depois, o chefe de Estado elencou as várias áreas de independência de Portugal que devem ser valorizadas: primeiro abordou “independência política, que tanto deve” às forças armadas, e depois falou também na “independência ética”, que “impõe o respeito e a dignidade da pessoa humana” e o respeito pela “vida comunitária, em particular no serviço público e na gestão do dinheiro público”.


No que diz respeito à “independência financeira e económica”, Marcelo sublinhou que esta “exige rigor, crescimento, emprego e justiça social e recusa sujeições espúrias, subserviências intoleráveis e minimizações inaceitáveis”.


E foi mais longe: “Todos sabemos que os nossos compatriotas são cá dentro e lá fora os melhores dos melhores”.


Na sua intervenção, de menos de dez minutos, o chefe de Estado disse ainda que o feriado do 1.º de Dezembro “nunca deveria ter sido suspenso”.


O Presidente da República e o primeiro-ministro, António Costa, participaram e discursaram hoje na comemoração oficial do Dia da Restauração, em Lisboa, a primeira desde que o feriado do 1.º de Dezembro foi reposto.


A cerimónia foi promovida e organizada pela Sociedade Histórica da Independência de Portugal, o Movimento 1.º Dezembro de 1640 e a Câmara de Lisboa.


A última intervenção da cerimónia coube ao Presidente da República, antecedido pelos discursos do primeiro-ministro, do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, do coordenador-geral do Movimento 1.º de Dezembro de 1640, José Ribeiro e Castro e do presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, José Alarcão Troni.


A cerimónia central das comemorações do 1.º Dezembro terminou com a deposição de coroas de flores de homenagem aos heróis da Restauração.


O 1.º Dezembro foi um dos quatro feriados suprimidos a partir de 2013 pelo Governo PSD/CDS-PP, entretanto repostos este ano pelo Governo socialista de António Costa.


PPF (JF) //GC


Lusa/Fim


RELACIONADOS

PR enaltece independência ética, política e económica mas adverte que esta exige “rigor”

O Presidente da República declarou esta quinta-feira, Dia da Restauração, “celebrar o futuro, mais que o passado e o presente” de Portugal, e enalteceu a independência ética, política e económica do país, embora lembrando a necessidade de “rigor”.