Impala

PM moçambicano quer modernização e expansão nos Caminhos de Ferro

O primeiro-ministro moçambicano desafiou hoje o novo presidente dos Caminhos de Ferro de Moçambique, José Matabel, a apostar na modernização e expansão de infraestruturas, considerando que empresa pública deve pautar-se pela austeridade.

Maputo, 25 jan (Lusa) – O primeiro-ministro moçambicano desafiou hoje o novo presidente do Conselho de Administração dos Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), José Matabel, a apostar na modernização e expansão de infraestruturas, considerando que empresa pública deve pautar-se pela austeridade.


“Esperamos que, na sua liderança, continue a modernizar e expandir as infraestruturas ferro-portuárias em Moçambique”, disse Carlos Agostinho do Rosário, durante a cerimónia de tomada de posse do novo presidente dos CFM, em Maputo.


A boa gestão da empresa, prosseguiu Carlos Agostinho do Rosário, passa pela adoção de um modelo de administração transparente e que valorize investimentos em áreas de relevância económica, como os corredores de investimento.


“Nada de despesismos”, afirmou o primeiro-ministro moçambicano, que espera uma liderança cuidadosa do novo presidente dos CFM.


Por sua vez, José Matabel disse que o seu principal desafio será procurar rentabilizar a empresa, respeitando padrões de qualidade e segurança.


“Tudo isto será na ambição da melhoria contínua para atingirmos resultados melhores”, afirmou, que avança que a preocupação ambiental também estará no centro do seu mandado.


José Matabel ocupava o cargo de presidente do conselho executivo da Emose – Empresa Moçambicana de Seguros desde março de 2016 e substitui Victor Gomes, indicado, no ano passado, para o posto de vice-governador do Banco de Moçambique.



EYAC // EL

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

PM moçambicano quer modernização e expansão nos Caminhos de Ferro

O primeiro-ministro moçambicano desafiou hoje o novo presidente dos Caminhos de Ferro de Moçambique, José Matabel, a apostar na modernização e expansão de infraestruturas, considerando que empresa pública deve pautar-se pela austeridade.