Impala

“Já não existe distinção entre Banif e Santander Totta” – fonte oficial

A integração entre o Banco Santander Totta e o Banif está feita e já não há distinção entre ambas as entidades, um ano após o banco liderado por Vieira Monteiro ter comprado a instituição que foi alvo de intervenção das autoridades.

Lisboa, 20 dez (Lusa) – A integração entre o Banco Santander Totta e o Banif está feita e já não há distinção entre ambas as entidades, um ano após o banco liderado por Vieira Monteiro ter comprado a instituição que foi alvo de intervenção das autoridades.


“Faz agora um ano que Banco Santander Totta adquiriu os ativos e passivos do Banif. É tempo de fazer um balanço. Hoje já não existe distinção entre Banif e Santander Totta, pois a integração das duas instituições está concluída”, realçou à Lusa fonte oficial do Santander Totta.


O banco que integra o grupo espanhol Santander assinalou que, a 20 de dezembro de 2015, adquiriu um conjunto de ativos e passivos do Banif, após a medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal ao Banif.


“Com o objetivo de dar continuidade à atividade comercial do Banco Internacional do Funchal (Banif) e salvaguardar os interesses dos seus clientes, o Banco de Portugal, enquanto autoridade de resolução, decidiu adjudicar uma parte substancial do negócio do Banco Banif ao Banco Santander Totta”, realçou a fonte oficial.


E acrescentou: “Esta adjudicação implicou que os negócios e os balcões do Banco Banif passassem a fazer parte do Santander Totta. Ela permitiu manter, sem qualquer interrupção, a operação comercial de mais de 154 balcões com 1.100 colaboradores e evitar uma situação de colapso nas economias das duas regiões autónomas”.


Segundo o Santander Totta, “para a operação existente no Banif seguir sem qualquer distúrbio para o sistema em geral, e os seus clientes em particular, foi necessário assegurar logo na manhã do primeiro dia 1.100 milhões de euros de liquidez nos balcões do Banif, valor esse que atingiu 1.700 milhões de euros ao fim de uma semana”.


Ao longo dos últimos 12 meses, o Santander Totta deu conta de que, no âmbito do processo global de integração, foram criados 23 grupos de trabalho ‘stream’, foram identificadas 2.145 atividades de integração, tendo ficado concluídas 90% das atividades, como estava previsto. As restantes 10% ficarão finalizadas em 2017, como estava programado desde o início”.


Os grupos de trabalho ‘stream’ incidiram sobre as áreas comerciais (empresas, banca global e mercados, particulares e negócios, residentes no estrangeiro e clientes ‘private’), sobre riscos, crédito e recuperações, sobre produtos, ‘marketing’ e canais, sobre controlo e área financeira, sobre tecnologia e operações, e sobre recursos humanos, imóveis e compras.


Já a migração do sistema informático do Banif para o sistema do Santander Totta ficou concluída no final de outubro.


Quanto aos principais números da migração efetuada, o Santander Totta apontou para os 1.837.717 clientes (1.659.693 particulares e 179.024 empresas), as 4.086.251 contas, os 924.966 cartões, os 202.250 empréstimos, os 83.526 contratos de títulos, os 1.881 processos de ‘factoring’, ‘confirming’ e ‘leasing’, e as 8.111 transferências periódicas SEPA (Área Única de Pagamentos em euros).


No que se refere à migração tecnológica, estiveram envolvidas mais de 260 pessoas, 27 parceiros, tendo sido realizadas mais de 1000 reuniões e 812 horas de formação com 895 formandos.


“Procedeu-se à mudança de imagem de todos os balcões (154) que eram do Banif em menos de três meses, tendo sido concluída em março de 2016”, salientou ainda o Santander Totta.


Em dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif e a venda da atividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros. Foi ainda criada a sociedade-veículo Oitante para a qual foi transferida a atividade bancária com que o Totta não ficou.



DN // CSJ


Lusa/fim


RELACIONADOS

“Já não existe distinção entre Banif e Santander Totta” – fonte oficial

A integração entre o Banco Santander Totta e o Banif está feita e já não há distinção entre ambas as entidades, um ano após o banco liderado por Vieira Monteiro ter comprado a instituição que foi alvo de intervenção das autoridades.