INE confirma desaceleração da subida dos preços em abril para 0,4%

INE confirma desaceleração da subida dos preços em abril para 0,4%

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor foi de 0,4% em abril, desacelerando face aos 0,7% observados em março, confirmou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Redação, 11 mai (Lusa) – A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de 0,4% em abril, desacelerando face aos 0,7% observados em março, confirmou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).


De acordo com o INE, a variação homóloga do indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) foi de 0,2% em abril (face aos 0,8% registados em março), confirmando também os dados avançados na estimativa rápida publicada em 30 de abril.


“A desaceleração do IPC reflete em parte um efeito de base, tendo-se observado aumentos significativos dos preços de alguns produtos em abril de 2017 no período da Páscoa, em particular nas classes ‘restaurantes e hotéis’ e ‘transporte”, nota o instituto estatístico.


A variação mensal do IPC foi, por sua vez, de 0,7% (após uma variação de 1,9% em março e 1,0% em abril de 2017) e a variação média dos últimos 12 meses foi de 1,1% (que compara com os 1,2% registados no mês precedente).


O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 0,3%, taxa inferior em 0,5 pontos percentuais à do mês anterior e inferior em 0,9 pontos percentuais à estimativa do Eurostat para a área do euro (em março, esta diferença foi de 0,5 pontos percentuais).


O IHPC registou uma variação mensal de 1,0% (2,2% no mês anterior e 1,5% em abril de 2017) e uma variação média dos últimos doze meses de 1,2% (valor inferior em 0,2 pontos percentuais ao registado em março).



PD // CSJ

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

INE confirma desaceleração da subida dos preços em abril para 0,4%

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor foi de 0,4% em abril, desacelerando face aos 0,7% observados em março, confirmou hoje o Instituto Nacional de Estatística.