Impala

Guiné-Bissau está de “boa saúde financeira”– banco central

O diretor nacional do Banco Central de Estados da Africa Ocidental (BCEAO) para a Guiné-Bissau, João Fadiá, defendeu que a saúde financeira do país “é boa” com as reservas cambiais a permitirem pagar as exportações durante 14 meses

*** serviço áudio disponível em www.lusa.pt ***



Bissau, 08 dez (Lusa) – O diretor nacional do Banco Central de Estados da Africa Ocidental (BCEAO) para a Guiné-Bissau, João Fadiá, defendeu hoje que a saúde financeira do país “é boa” com as reservas cambiais a permitirem pagar as exportações durante 14 meses.


O responsável do BCEAO deu estas indicações numa conferência de imprensa após a reunião de balanço trimestral do desempenho dos bancos comerciais que operam na Guiné-Bissau cujas ações são supervisionadas pela instituição que dirige.


João Fadiá adiantou que o “desempenho foi bom também ao nível da inflação” que acabou por ser situar na ordem de 2,6% quando a meta inicialmente prevista era de 3%.


“Financeiramente a situação do país está boa, em termos das finanças públicas é outra coisa”, disse o diretor nacional do BCEAO, remetendo para o Governo guineense uma resposta conclusiva.


O diretor do banco central guineense explicou que para a boa saúde financeira contribuiu a campanha de comercialização da castanha do caju, principal produto de exportação do país.


O país exportou cerca de 200 mil tonadas do caju em 2016.


João Fadiá indicou que perante os dados de que o BCEAO dispõe, o país conseguiu atingir todas as metas em termos da política monetária o que deixa antever boas perspetivas para 2017.


Uma boa campanha agrícola associada à retoma da assistência do Fundo Monetário Internacional (FMI) irão ajudar a Guiné-Bissau a conhecer melhor desempenho, precisou ainda João Fadiá.



MB // SMA


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Guiné-Bissau está de “boa saúde financeira”– banco central

O diretor nacional do Banco Central de Estados da Africa Ocidental (BCEAO) para a Guiné-Bissau, João Fadiá, defendeu que a saúde financeira do país “é boa” com as reservas cambiais a permitirem pagar as exportações durante 14 meses