Impala

Governador do Banco do Japão diz que G7 e G20 travarão protecionismo de Trump

O governador do Banco do Japão considerou que, apesar da insegurança generalizada das posturas protecionistas do presidente norte-americano, Donald Trump, as políticas que defendem o G7 e o G20 evitarão que estas tendências alastrem a nível mundial.

Tóquio, 31 jan (Lusa) – O governador do Banco do Japão considerou hoje que, apesar da insegurança generalizada das posturas protecionistas do presidente norte-americano, Donald Trump, as políticas que defendem o G7 e o G20 evitarão que estas tendências alastrem a nível mundial.


“Há uma preocupação de que as políticas protecionistas da administração Trump possam reduzir o volume de comércio internacional”, afirmou Haruhiko Kuroda em conferência de imprensa.


“Contudo, não creio que esse protecionismo seja contagioso a larga escala, graças às políticas (defensoras do livre comércio internacional) que dominam no G7 e no G20”, acrescentou.


Em termos financeiros, Kuroda sustentou que, “embora a política do novo Governo [de Trump] não seja ainda clara”, são patentes os bons fundamentos sobre o que sustenta a economia norte-americana, assim como a recente subida dos rendimentos das obrigações do tesouro ou a alta que se vive em Wall Street.


Ainda assim, o governador do Banco do Japão assegurou que a entidade que dirige se manterá “vigilante” dada a “grande influência da política financeira dos Estados Unidos nos mercados globais”.


Ao ser questionado sobre a recente proibição aprovada pela Casa Branca de conceder vistos de entrada aos cidadãos de sete países muçulmanos, Kuroda recusou pronunciar-se, dizendo apenas que tal assunto “não é da competência do Banco do Japão”.



SO // SB

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Governador do Banco do Japão diz que G7 e G20 travarão protecionismo de Trump

O governador do Banco do Japão considerou que, apesar da insegurança generalizada das posturas protecionistas do presidente norte-americano, Donald Trump, as políticas que defendem o G7 e o G20 evitarão que estas tendências alastrem a nível mundial.