Empresas participadas pelo Estado em Moçambique enfrentam uma crise financeira

Empresas participadas pelo Estado em Moçambique enfrentam uma crise financeira

Um total de 20 empresas participadas maioritariamente pelo Estado em Moçambique enfrentam uma crise financeira, anunciou hoje o Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE).

Maputo, 07 mai (Lusa) – Um total de 20 empresas participadas maioritariamente pelo Estado em Moçambique enfrentam uma crise financeira, anunciou hoje o Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE).


“Estamos com dificuldades para fazer investimentos nestas empresas”, disse a presidente do Conselho de Administração do IGEPE, Ana Coanai, à margem de um encontro em que se debateu a legislação do setor empresarial do Estado em Maputo.


Ana Coanai disse que o Governo moçambicano está à procura de parceiras para investir nestas empresas, no âmbito do plano de reestruturação que já está em curso.


“Nós precisamos de garantir que haja um investimento permanente e isso só poderá acontecer se tivermos parcerias”, explicou Ana Coanai, sem avançar o montante necessário para capitalização das empresas.


A primeira fase deste plano de reestruturação será marcada pela união da Moçambique Celular (Mcel) e Telecomunicações de Moçambique, duas das empresas que atravessaram crises financeiras nos últimos anos.


“Já fizemos o diagnóstico das duas empresas e a intenção agora é que até ao final deste ano o processo seja concluído”, observou Ana Coanai.


As dívidas com a banca são apontadas pela presidente como um dos principais desafios destas empresas e, para que este problema seja ultrapassado, o Governo está a negociar reestruturações das dívidas.


“Nem tudo está mal. Estamos a realizar um trabalho e acreditamos que bons tempos virão”, concluiu Ana Coanai.



EYAC // VM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Empresas participadas pelo Estado em Moçambique enfrentam uma crise financeira

Um total de 20 empresas participadas maioritariamente pelo Estado em Moçambique enfrentam uma crise financeira, anunciou hoje o Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE).