Há mais bebedeiras porque… acabou a crise

O Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências do Ministério da Saúde diz que os casos de embriaguez aumentaram desde que acabou a crise.

Portugal está mais longe de atingir os objetivos para diminuir o consumo excessivo de álcool. Aliás, os casos de embriaguez até aumentaram. Particularmente depois do fim da crise e em especial nas mulheres e na restante população adulta com mais de 35 anos.

LEIA MAIS: Mãe de adolescente que se suicidou depois de violada divulga carta da filha

A conclusão deste estudo é do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) do Ministério da Saúde.

Fim da crise… princípio da diversão

Este organismo coloca como uma das hipóteses empíricas para este caso o «fim da crise». O retomar gradual da economia nacional está a dar mais poder de compra aos portugueses, especialmente em bebidas alcoólicas.

«Este retomar da esperança pós-crise pode ter feito com que tenhamos bebido um pouco mais, entrando naquilo que identificamos como um regime de festa e nós normalmente comemoramos bebendo álcool», explicou o subdiretor geral do SICAD à rádio TSF esta terça-feira.

Sendo a bebida um bom mote para a alegria, veja o nosso vídeo

Ainda assim, este órgão de saúde público destaca a evolução em travar o consumo de álcool nos mais jovens, onde as metas foram atingidas.

LEIA MAIS: Pais instalaram câmara secreta e apanharam ama a agredir violentamente bebé [vídeo]

O balanço do estado de Portugal em matéria de álcool é feito esta terça-feira numa reunião anual do Fórum Nacional Álcool e Saúde que reúne mais de 90 entidades do Estado, mas também de quem vende álcool aos portugueses.

LEIA MAIS: Madrasta torturou o enteado com comida cheia de laxante e pimenta


RELACIONADOS

Há mais bebedeiras porque… acabou a crise

O Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências do Ministério da Saúde diz que os casos de embriaguez aumentaram desde que acabou a crise.