Agricultores guineenses pedem a Presidente solução para compra do caju
Impala

Agricultores guineenses pedem a Presidente solução para compra do caju

O presidente da Associação Nacional dos Agricultores da Guiné-Bissau apelou hoje ao Presidente guineense para arranjar uma solução para a compra da castanha do caju, principal produto agrícola do país.

Bissau, 11 abr (Lusa) – O presidente da Associação Nacional dos Agricultores da Guiné-Bissau (ANAG), Jaime Gomes, apelou hoje ao Presidente guineense, José Mário Vaz, para arranjar uma solução para a compra da castanha do caju, principal produto agrícola do país.


Em conferência de imprensa, o líder dos agricultores guineenses pediu a José Mário Vaz que arranje uma solução “nos próximos dias”, sublinhando que a solução poderá passar pela aquisição de toda castanha pelo Estado ou um comprador internacional.


“Apelamos o Presidente da República que nos tire o nosso caju das mãos”, observou Jaime Gomes para quem existem pessoas que querem sabotar a intenção de José Mário Vaz.


O Presidente guineense anunciou, a 24 de março, que o preço de referência de compra do caju no produtor em 2018 será de 1.000 francos cfa (cerca de 1,5 euros), mas desde aquela altura o produto não tem sido comprado pelos comerciantes.


Várias vozes já se levantaram contra o preço anunciado pelo líder guineense.


O presidente da associação dos exportadores, Mamadu Jamanca, disse à Lusa que a sua classe não irá participar na campanha de comercialização do caju em 2018, por não concordar com o preço base anunciado por José Mário Vaz.


Empresários indianos, os principais compradores do caju guineense, e os da Mauritânia, prometeram a José Mário Vaz que vão comprar o produto pelo preço base estipulado.


O líder dos agricultores guineenses deu até ao próximo dia 20 para se começar a vender o caju.


Caso isso não aconteça promete “uma grande manifestação” dos produtores em Bissau.


“Vamos responsabilizar o Estado”, declarou Jaime Gomes, que se solidariza com o Presidente guineense, que disse, quer ajudar a população camponesa, embora também tenha visado objetivos políticos, enfatizou.


Para Jaime Gomes, os agricultores guineenses “deviam agradecer a Jomav” (nome pelo qual é conhecido José Mário Vaz) por ter sido o dirigente que fixou o preço do caju a 1.000 francos cfa por quilograma.



MB // EL

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Agricultores guineenses pedem a Presidente solução para compra do caju

O presidente da Associação Nacional dos Agricultores da Guiné-Bissau apelou hoje ao Presidente guineense para arranjar uma solução para a compra da castanha do caju, principal produto agrícola do país.