Casa dos Rapazes: Menores institucionalizados eram humilhados, agredidos e insultados

Casa dos Rapazes: Menores institucionalizados eram humilhados, agredidos e insultados

«Maricas» e «paneleiros» eram alguns dos insultos feitos a menores, sob o pretexto de terapia, na Casa dos Rapazes de Viana do Castelo. Directora técnica e quatro funcionários da instituição são acusados de 35 crimes.

A directora técnica e quatro funcionários da Casa dos Rapazes, em Viana do Castelo foram acusados de 35 crimes de maus tratos continuados a menores, pelo Ministério Público.

LEIA MAIS: Homem mais flexível do mundo abusa sexualmente de pelo menos seis menores

Após ter sido concluída uma investigação à instituição foi descoberto que, pelo menos, entre 2014 e 2015, os menores institucionalizados naquela casa eram humilhados, sob o pretexto de terapia educacional. De acordo com o Correio da Manhã, sempre que um rapaz tinha um comportamento considerado homossexual era visto como «doentio» e humilhado em grupo.

Os jovens eram apelidados de «maricas» e «paneleiros». Depois de ser ostracizados, os adolescentes eram convidados a mudarem as suas preferências sexuais.

Segundo o Ministério Público, estas práticas foram identificadas sobretudo na Casa Azul, um dos abrigos da instituição.

LEIA TAMBÉM: Avó dá à luz o neto para dá-lo ao filho gay e lança discussão na Internet

O caso foi exposto em novembro do ano passado, após o jornal Público ter divulgado vídeos, onde era possível ver-se jovens a ser agredidos e insultados na Casa dos Rapazes. Na altura a instituição suspendeu cinco técnicos.

Nas imagens viam-se responsáveis a darem bofetadas e a insultarem aos gritos os menores, enquanto estes choravam.

VEJA AINDA: Corroios: Mãe que matou filha à facada após o parto teve ajuda da irmã

 


RELACIONADOS

Casa dos Rapazes: Menores institucionalizados eram humilhados, agredidos e insultados

«Maricas» e «paneleiros» eram alguns dos insultos feitos a menores, sob o pretexto de terapia, na Casa dos Rapazes de Viana do Castelo. Directora técnica e quatro funcionários da instituição são acusados de 35 crimes.