Vendas de jornais e revistas caem quase 18% em 2016, há menos 28% em circulação

Vendas de jornais e revistas caem quase 18% em 2016, há menos 28% em circulação

Os jornais, revistas e outras publicações periódicas perderam 28% de circulação total em 2016 face ao ano anterior, registando-se também uma quebra de 17,6% nos exemplares vendidos, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os jornais, revistas e outras publicações periódicas perderam 28% de circulação total em 2016 face ao ano anterior, registando-se também uma quebra de 17,6% nos exemplares vendidos, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com as estatísticas do setor da Cultura, hoje divulgadas pelo INE, em 2016 existiam 1.271 publicações periódicas, que corresponderam a 23.035 edições anuais, 420,5 milhões de exemplares de tiragem total e 322,2 milhões de exemplares de circulação total, dos quais foram vendidos 192,9 milhões de exemplares.

Em relação a 2015, verificaram-se, contudo, diminuições no número de publicações (2,7%), de edições (3,4%), na tiragem (22,3%), na circulação total (28,0%), nos exemplares vendidos (17,6%) e nos oferecidos (27,5%), acrescenta aquela entidade.

Os jornais representavam 34,9% do total de publicações, concentrando 76% do número de edições, 74,1% da tiragem total, 74,9% da circulação total e 73% dos exemplares vendidos.

Por seu lado, as revistas correspondiam a 48,6% dos títulos, 18,9% das edições, 23,6% da tiragem total, 22,1% da circulação total e 25,5% da circulação paga.

Enquanto os jornais venderam 58,4% dos exemplares em circulação, as revistas foram responsáveis pela circulação paga de 68,9% dos exemplares.

Aludido ao suporte, a maior parte (61,1%) das publicações periódicas em causa saiu em papel estando em simultâneo no meio digital (38,9%).

O INE destaca que “este tipo de suporte de difusão [digital] tem vindo a ganhar uma importância crescente”, passando de uma representatividade de 19,4% em 2007 para 30,7% em 2011 e para 38% em 2015.

A nível geográfico, a circulação paga teve maior expressão nas publicações periódicas sediadas nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira (87,7% e 87,0% respetivamente), seguindo-se o Alentejo (82,4%) e o Norte (81,5%).

Já no Algarve e na área metropolitana de Lisboa registou-se uma maior proporção de exemplares em circulação oferecidos (59,2% e 46,8%, respetivamente), indicam os mesmos dados.

Segundo o INE, no ano passado 55% da população residente no país (dos 18 aos 69 anos) leu jornais ou revistas, em papel ou na internet.

Quanto aos gastos anuais em jornais, livros e artigos de papelaria, o valor rondou os 190 euros por agregado familiar em 2016.

Também neste ano, os preços dos jornais evoluíram 4,6%.

O setor das atividades culturais e criativas empregava 81,7 mil pessoas no ano passado, menos 4,1% do que no ano anterior.

Os autores, jornalistas e linguistas representavam 9,8% do total.

Outros artigos em destaque

Presidente da Raríssimas reage às acusações e é imediatamente atacada
Cláudia Vieira mostra-se em família com o namorado e a cunhada pela primeira vez
Namorada de jogador de futebol suicida-se aos 23 anos
EXCLUSIVO | Saiba como foram os últimos momentos de vida do segurança baleado no Barrio Latino
Chamada de «cadáver», Lililiana Aguiar justifica magreza
25 motivos que levam as mulheres a querer sexo

 


RELACIONADOS

Vendas de jornais e revistas caem quase 18% em 2016, há menos 28% em circulação

Os jornais, revistas e outras publicações periódicas perderam 28% de circulação total em 2016 face ao ano anterior, registando-se também uma quebra de 17,6% nos exemplares vendidos, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).