Sindicatos da UGT também convocam greve de trabalhadores das escolas para 04 de maio

Sindicatos da UGT também convocam greve de trabalhadores das escolas para 04 de maio

Os sindicatos afetos à UGT entregaram hoje um pré-aviso de greve para uma paralisação em 04 de maio dos trabalhadores não docentes, para contestar a “insuficiência, a precariedade e a falta de reconhecimento” destes trabalhadores.

Lisboa, 12 abr (Lusa) — Os sindicatos afetos à UGT entregaram hoje um pré-aviso de greve para uma paralisação em 04 de maio dos trabalhadores não docentes, para contestar a “insuficiência, a precariedade e a falta de reconhecimento” destes trabalhadores.


O pré-aviso de greve foi entregue pela Federação Nacional de Educação (FNE) e pela Federação dos Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP).


Também a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais anunciou hoje para o mesmo dia uma greve destes trabalhadores.


No pré-aviso da FNE e da FESAP lê-se que “a precariedade e insuficiência continuam a ser características que se associam às escolas quando se fala em trabalhadores não docentes” e que “as necessidades permanentes das escolas continuam a ser asseguradas pelo recurso a trabalhadores sem vínculo e a tempo parcial, para os quais não se vislumbra qualquer perspetiva de vinculação”.


Os sindicatos afirmam ainda que “não se tem verificado, da parte do Ministério da Educação, a assunção clara das suas responsabilidades em relação a estes trabalhadores”, pelo que convocam a greve para exigir o início de negociações para criar uma carreira especial para estes trabalhadores, aumentos salariais em 2019 na administração pública, sobretudo para os salários mais baixos, e a integração nos quadros do Ministério da Educação dos trabalhadores precários.


IMA (SIM) // JMR

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Sindicatos da UGT também convocam greve de trabalhadores das escolas para 04 de maio

Os sindicatos afetos à UGT entregaram hoje um pré-aviso de greve para uma paralisação em 04 de maio dos trabalhadores não docentes, para contestar a “insuficiência, a precariedade e a falta de reconhecimento” destes trabalhadores.