Ocupar as férias a aprender com música a olhar para tudo de modo criativo
Impala

Ocupar as férias a aprender com música a olhar para tudo de modo criativo

Um grupo de 30 crianças e jovens, com idades entre os 08 e os 18 anos, está a ocupar as férias da Páscoa num projeto que pretende, através da música, pô-los a olhar para tudo de um modo criativo.

Um grupo de 30 crianças e jovens, com idades entre os 08 e os 18 anos, está a ocupar as férias da Páscoa num projeto que pretende, através da música, pô-los a olhar para tudo de um modo criativo.

Na primeira edição do Acorde Maior, um projeto do Village Underground Lisboa, na área do impacto social, que começou na segunda-feira, participam crianças e jovens oriundos de aldeias Crianças SOS e dos bairros do Zambujal e da Cova da Moura, no concelho da Amadora.

“O nosso objetivo é que o material que surge neste trabalho venha dos miúdos que participam nele, não é vir com repertório pré-construído ou com partituras”, explicou à Lusa uma das orientadoras/formadoras do projeto, Joana Araújo.

Ao longo de uma semana, Joana Araújo, Duarte Cardoso e Teresa Campos estão a “facilitar processos diários de construção musical e artística” com um grupo de crianças e jovens no qual a maioria tem “pouca ou nenhuma experiência musical”.

A primeira parte da semana (segunda e terça-feira, dia em que a Lusa visitou o projeto) “é mais exploratória”. “Para os conhecermos, para eles se conhecerem entre eles e quando começamos a produzir material. É um momento crucial, porque é quando surgem as primeiras ideias e se define o que vai acontecer no final da semana”, contou Duarte Cardoso.

Na terça-feira à tarde, os 30, divididos em seis grupos, percorreram o espaço do Village Underground, sediado nos terrenos do Museu da Carris, a recolher imagens, sons e a fazer entrevistas.

Regressados ao armazém onde decorrem ‘as aulas’, escolheram os melhores sons e imagens, que partilharam com os outros. Barulhos de elétricos, aviões, alguém a mastigar e talheres a baterem uns nos outros foram alguns dos sons recolhidos.

“Estamos a tentar criar estratégias para os princípios básicos, que são os sentidos. Estamos a começar pelas coisas mais básicas da audição e da escuta, uma vez que a prática instrumental é praticamente nula, a maioria deles vem com a voz e o corpo”, explicou Joana Araújo.

Matilde, de 08 anos, confessou à Lusa que “estava à espera de aprender música, tocar instrumentos”, mas não se mostrou desiludida com o que tem aprendido, e até considera “uma boa experiência”.

Já Solange, com 15 anos, temia que o projeto fosse “uma seca”, principalmente a parte de “ter de acordar cedo nas férias”. Mas afinal, “está a ser fixe”.

Para terça-feira, os ‘alunos’ tinham a tarefa de levar para a ‘sala de aula’ objetos ou instrumentos à escolha. Havia um violino e uma guitarra, mas também molhos de chaves, livros, talheres e colheres de pau. Os que se esqueceram tiveram de arranjar o ‘instrumento’ na sala, e aí a escolha recaiu em garrafas de plástico ou capas de telemóvel.

Todos mostram o som que sai de cada objeto ou instrumento que trouxeram e, no fim, fizeram um balanço de como correu o dia.

Hoje e na quinta-feira é quando se “desenvolve material” e se “fecha o que vai acontecer na apresentação final”.

“Fazemos exercícios em que eles produzem material musical em vários formatos (listas de palavras, letras, pesquisa de sons e imagens)”, referiu Duarte Cardoso, salientando haver “um processo criativo que acontece mesmo sem eles perceberem”.

“Eles estão a criar sem dizermos ‘agora vais fazer música'”, disse.

Para Teresa Campos, “tem tudo um pouco que ver com ser-se criativo, olhar-se para as coisas de forma criativa”. “Aqui é afunilado para uma coisa muito concreta e com a garantia de que isso vai transformar-se em algo partilhável no fim”, referiu.

O último dia — sexta-feira — “é o momento de ensaio, de usufruírem do que construírem”. O projeto culmina com uma gravação e atuação ao vivo, nas instalações do Village Underground Lisboa.

Os formadores não gostam de chamar concerto ao que irá acontecer no último dia, porque “não há preocupação em satisfazer o público”. “Estamos preocupados com a participação deles, se estão integrados, se sentem ‘este resultado tem uma parte de mim’, isso para nós é o mais importante”, referiu Duarte Cardoso.

Com um grupo de crianças e jovens “muito heterogéneo”, o objetivo de cada um “podem ser coisas muito diversas”.

“Normalmente o que acontece é cada um identificar-se com uma coisa diferente”, disse Teresa Campos, referindo que “alguns têm mais que ver com o lado musical, outros com poder experimentar, outros com estarem em grupo, outros com conhecerem pessoas muito diferentes deles, ou ainda com fazerem parte de alguma coisa”.

O projeto Acorde Maior, que conta com o apoio da Caixa Económica do Montepio Geral, é inspirado no ‘Future Band’, grupo criado no Barbican Centre, em Londres, em 2009.

 


RELACIONADOS

Ocupar as férias a aprender com música a olhar para tudo de modo criativo

Um grupo de 30 crianças e jovens, com idades entre os 08 e os 18 anos, está a ocupar as férias da Páscoa num projeto que pretende, através da música, pô-los a olhar para tudo de um modo criativo.