Ministro diz que instabilidade laboral  é o fator mais marcante para o adiamento da natalidade

Ministro diz que instabilidade laboral é o fator mais marcante para o adiamento da natalidade

Vieira da Silva defende que o reforço da estabilidade das relações profissionais tem de ser assumido como um objetivo nacional para ultrapassar a crise de natalidade existente no país.

Lisboa, 09 mai (Lusa) — O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, disse hoje que a instabilidade dos percursos profissionais é atualmente o fator mais marcante para o adiamento da decisão de ter filhos.


Vieira da Silva, que falava hoje na conferência “Natalidade: Como fazer crescer Portugal” que decorreu em Lisboa, defende que o reforço da estabilidade das relações profissionais tem de ser assumido como um objetivo nacional para ultrapassar a crise de natalidade existente no país.


“Se nós não assumirmos como objetivo nacional um reforço da estabilidade das relações profissionais principalmente nos jovens e nas famílias jovens teremos mais dificuldade em ultrapassar esta limitação que temos hoje e que é um fator de diminuição do bem-estar social”, disse o ministro.


Segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística, a população em Portugal diminuiu em 2017, pelo nono ano consecutivo, uma vez que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos.


Segundo as “Estatísticas Vitais”, em 2017, nasceram com vida (nados-vivos) 86.154 crianças de mães residentes em Portugal, menos 972 crianças relativamente ao ano anterior, o que representa um decréscimo de 1,1%.


GC // JMR

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Ministro diz que instabilidade laboral é o fator mais marcante para o adiamento da natalidade

Vieira da Silva defende que o reforço da estabilidade das relações profissionais tem de ser assumido como um objetivo nacional para ultrapassar a crise de natalidade existente no país.