Impala

Jovens de sete países propõem em Santarém medidas para reverter alterações climáticas

Jovens de 15 escolas de sete países apresentam, em Santarém, propostas para reverter as alterações climáticas, no 19.º Encontro Internacional de Jovens Cientistas das escolas associadas da UNESCO.

Santarém, 11 jan (Lusa) — Jovens de 15 escolas de sete países apresentam, a partir de hoje, em Santarém, propostas para reverter as alterações climáticas, no 19.º Encontro Internacional de Jovens Cientistas das escolas associadas da UNESCO.


O encontro, organizado pela Escola Secundária Sá da Bandeira (ESSB) desde 1998, inicialmente apenas com escolas portuguesas, tem vindo a realizar-se anualmente, com um número crescente de escolas, um pouco por todo o mundo, interessadas em participar, disse à Lusa José Barrão, docente da escola, entretanto aposentado, que se mantém ligado ao projeto desde o início.


Para o encontro deste ano a organização escolheu o tema da Cimeira de Paris, desafiando os jovens a “seguirem o pensamento científico” e a fazerem trabalhos de investigação em torno de três subtemas: “Alterações Climáticas — Papel das Escolas na Redução das Suas Causas”, “Alterações Climáticas — Papel das Escolas na Minimização das Suas Consequências” e “Alterações Climáticas — Pesquisas Fora da Escola”.


Aos 32 alunos de cinco escolas portuguesas (três delas de Santarém), quatro espanholas, duas dos Estados Unidos da América, uma da Alemanha, uma de Andorra e uma de Itália, juntam-se alunos de uma escola do Brasil que, devido à dificuldade de deslocação, participam à distância, disse.


A regularidade e persistência na organização deste evento, destinado aos “cientistas do futuro”, valeram à Escola Secundária Sá da Bandeira o Prémio Pilar Para a Paz, atribuído em 2005 pela UNESCO.


“O desafio surgiu num encontro realizado em Paris em 1998 com escolas de todo o mundo e no qual foi pedido às escolas que desenvolvessem projetos semelhantes, no sentido do incentivo aos jovens, sobretudo às mulheres, para abraçarem as ciências. De Portugal estava uma professora e uma aluna da ESSB e uma aluna do Porto. Fomos a única escola que deu seguimento a esse desafio”, disse.


O encontro é organizado em colaboração com a Comissão Nacional da UNESCO e a Associação de Pais da ESSB, tem financiamento e apoio logístico de instituições como a Fundação Gulbenkian, a Câmara de Santarém, a União de Freguesias da cidade e dois bancos e apoio científico e cultural do Instituto Superior de Agronomia, do Observatório do Sobreiro e da Cortiça de Coruche, do Conservatório de Música de Santarém (também associado da UNESCO), da Casa do Brasil, Ecopilhas e Casa da Caldeira.


O dia de hoje é dedicado à receção dos participantes, com atividades como a plantação de um sobreiro e uma visita ao centro histórico de Santarém, sendo os serões dinamizados pelos próprios alunos.


No átrio da biblioteca da escola estão várias exposições e produtos, sendo as conclusões dos trabalhos relativos aos dois primeiros subtemas apresentados ao final da tarde de quinta-feira, com as conclusões finais a serem apresentadas no sábado de manhã.


Na sexta-feira, o grupo irá ao Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa, para a visita de estudo “Floresta e alterações climáticas”, terminando o encontro com a apresentação do tema da edição do próximo ano, que será dedicada ao Património Intangível.



MLL // MLS


Lusa/fim


RELACIONADOS

Jovens de sete países propõem em Santarém medidas para reverter alterações climáticas

Jovens de 15 escolas de sete países apresentam, em Santarém, propostas para reverter as alterações climáticas, no 19.º Encontro Internacional de Jovens Cientistas das escolas associadas da UNESCO.