Impala

Investigadores portugueses criam ‘drone’ e barco robô para detetar e socorrer migrantes

Investigadores portugueses criaram um protótipo com robôs capazes de se articularem para vigiar o mar, localizar e prestar um primeiro auxílio a migrantes em apuros, com o qual concorrem a um concurso internacional no Dubai.

Lisboa, 28 jan (Lusa) – Investigadores portugueses criaram um protótipo com robôs capazes de se articularem para vigiar o mar, localizar e prestar um primeiro auxílio a migrantes em apuros, com o qual concorrem a um concurso internacional no Dubai.


O projeto, que concorre com nove outros, entres os quais o do Imperial College de Londres ou da empresa Nokia ao prémio “Drones for Good”, de aplicação pacífica daqueles aparelhos voadores controlados remotamente, foi construído no departamento de Engenharia Eletrotécnica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.


Francisco Marques, doutorado em Robótica e um dos sete membros da equipa de investigação por detrás do projeto, descreve-o como “uma equipa de multi-robôs que se coordenam uns com os outros para encontrar migrantes no mar”, usando um ‘drone’ e um barco não tripulado.


“Fazer estas coisas desde o princípio é uma experiência espetacular, tem outro gozo”, afirmou, assumindo que o objetivo da equipa sempre foi “fazer investigação aplicada”, que sirva para ser aplicada a problemas reais, quer nesta vertente quer na industrial.


O protótipo do veículo aquático, montado num pequeno catamarã comprado numa loja náutica e reforçado com fibra de carbono, inclui painéis solares, um sonar que consegue detetar volumes na superfície da água, um laser que consegue “ver” a 360 graus e determinar uma posição com uma precisão a cinco centímetros e computadores para comunicar e se articular com o ‘drone’.


O ‘drone’ é capaz de aterrar e levantar voo a partir de uma plataforma no barco e elevar-se no ar, captando imagens que são enviadas para um operador. Se for identificado um barco ou pessoas na água, o barco dirige-se para o local e pode lançar um primeiro meio de socorro, como jangadas insufláveis, até chegarem meios maiores.


Com uma rede de dispositivos assim, defendem os autores do projeto, seria possível vigiar uma grande área geográfica marítima de forma menos dispendiosa e com menos meios humanos.


“Se for detetado um barco com pessoas, os ‘drones’ são avisados e deslocam-se para o local, levando jangadas insufláveis e mantimentos que ajudam os migrantes até chegarem os meios tradicionais de salvamento”, descreveu Francisco Marques.


Tirando as questões técnicas, o problema da equipa é, essencialmente, a falta de meios para fazer mais. Primeiro, “ninguém trabalha só por carolice, há que pagar salários”, reconheceu o chefe da equipa, José Barata, salientando a polivalência e a inventividade dos membros da equipa para contornar as dificuldades.


Com o prémio do concurso “Drones for Good”, que ronda o milhão de dólares, a equipa poderia passar da fase de protótipo para algo mais consolidado, com prioridade para o barco, que teria que ser mais robusto, basicamente inafundável, para poder aguentar as condições do mar.


José Barata salientou que a participação no concurso pode dar ao projeto a “visibilidade mundial” de que precisam para manter a ideia.


Para isso, tudo vai ser desmontado e enviado para o Dubai, onde quatro membros da equipa vão estar de 12 a 19 de fevereiro.


A expansão, afirmou, poderia passar pela própria costa portuguesa, com um dispositivo como este nos principais portos portugueses, numa rota marítima “muito movimentada e com necessidades de vigilância”, quer para dar resposta a acidentes quer na deteção de casos de poluição.


A equipa já teve contactos com a Marinha Portuguesa, participando em exercícios e colaborando com os grupos de investigação da Escola Naval, pelo que mais projetos seriam bem-vindos.



APN // JLG


By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Investigadores portugueses criam ‘drone’ e barco robô para detetar e socorrer migrantes

Investigadores portugueses criaram um protótipo com robôs capazes de se articularem para vigiar o mar, localizar e prestar um primeiro auxílio a migrantes em apuros, com o qual concorrem a um concurso internacional no Dubai.