Impala

Cap Magellan quer “reivindicar outro estatuto” para portugueses em França

A associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan, que organiza a primeira edição dos “Estados Gerais da Lusodescendência”, em Paris, quer “reivindicar outro estatuto” para os portugueses, disse à Lusa a delegada-geral da associação, Luciana Gouveia.

Paris, 28 jan (Lusa) – A associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan, que organiza, hoje e amanhã, a primeira edição dos “Estados Gerais da Lusodescendência”, em Paris, quer “reivindicar outro estatuto” para os portugueses, disse à Lusa a delegada-geral da associação, Luciana Gouveia.


“Em França, os portugueses continuam a ser esta comunidade tranquila, apagada, que vive um bocadinho da condescendência dos outros e é necessário também começar a reivindicar outro estatuto e o estatuto que merecemos. Quer dizer, somos a primeira nacionalidade estrangeira em França e basta olharmos para os números do ensino do português em França que são ridículos”, explicou Luciana Gouveia, adiantando que “há 30 mil pessoas a aprender português e mais de dois milhões a aprender espanhol”.


A dirigente explicativa explicou que um dos objetivos dos “Estados Gerais da Lusodescendência”, que começaram hoje, na Maison du Portugal – André de Gouveia, é lançar “essa picada de provocação” e uma “chamada de atenção para os franceses mas também para os portugueses” para que a presença lusófona seja mais visível em França.


Nesse sentido, o evento vai apresentar uma rede com uma centena de estruturas associativas ligadas ao ensino da língua portuguesa em França e “convencer esta centena de estruturas presentes a assinar uma carta de compromisso” para acolher campanhas de promoção do ensino da cultura e da língua portuguesas e campanhas de apelo ao recenseamento e de apelo ao voto.


A delegada-geral da Cap Magellan afirmou que os “Estados Gerais da Lusodescendência”, criados no âmbito do 25.º aniversário da associação, também pretendem promover a redação de um questionário sobre o apoio à lusofonia em França dirigido aos candidatos às eleições presidenciais e legislativas francesas e aos deputados portugueses.


“Estamos agora num ano de eleições presidenciais em França, os portugueses não podem votar, mas os franceses de origem portuguesa podem votar e, de qualquer forma, a comunidade portuguesa tem de questionar os candidatos sobre o que farão em relação às temáticas aqui evocadas, à promoção da língua portuguesa e qualquer temática que possa interessar a comunidade portuguesa”, indicou.


Luciana Gouveia acrescentou que este ano deverá ser lançado um estudo sobre os lusodescendentes promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian de Lisboa, “também a partir dos resultados destes Estados Gerais”, e que a Cap Magellan deverá organizar um encontro sobre a emigração em 2018, um ano antes dos próximos “Estados Gerais da Lusodescendência”.


Este sábado, participam no evento os secretários de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, e a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino.


Além dos “Estados Gerais da Lusodescendência”, o 25º aniversário da Cap Magellan é marcado, este domingo, pelo concerto do grupo Resistência no Bataclan, em Paris, a sala de concertos que foi um dos alvos dos atentados da noite de 13 de novembro de 2015, que causaram 130 mortos, 90 dos quais neste local de espetáculos.


A Cap Magellan foi fundada a 24 de novembro de 1991, na capital francesa, tendo sido “a primeira associação de jovens lusófonos e lusófilos” a trabalhar na promoção da língua portuguesa e da cultura lusófona.


A associação coorganiza, anualmente, a gala de aniversário da implantação da República em Portugal, na Câmara Municipal de Paris, organiza fóruns de emprego, concertos, campanhas de segurança rodoviárias para os emigrantes, campanhas de sensibilização para o voto, publicando, ainda, uma revista cultural “CAPMag” e atribuindo bolsas de estudo, entre outras atividades.


CAYB//GC

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Cap Magellan quer “reivindicar outro estatuto” para portugueses em França

A associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan, que organiza a primeira edição dos “Estados Gerais da Lusodescendência”, em Paris, quer “reivindicar outro estatuto” para os portugueses, disse à Lusa a delegada-geral da associação, Luciana Gouveia.