Impala

Cabo Verde distinguido pelos progressos no combate à malária

Cabo Verde foi distinguido, no âmbito da cimeira da União Africana (UA), pelos resultados alcançados no combate à malária, cuja taxa de incidência e mortalidade sofreu uma redução de 40 por cento no país.

Praia, 30 jan (Lusa) – Cabo Verde foi distinguido hoje, no âmbito da cimeira da União Africana (UA), pelos resultados alcançados no combate à malária, cuja taxa de incidência e mortalidade sofreu uma redução de 40 por cento no país.


O prémio Excelência 2017, atribuído pela Aliança de Líderes Africanos contra a Malária (ALMA), distinguiu ainda o Botsuana, Comores, República Democrática do Congo, Etiópia, Suazilândia e Uganda, pelos resultados na redução da taxa incidência e de mortalidade do paludismo; e o Chade, pelo seu papel de liderança na luta contra a malária.


Os galardões foram entregues na abertura da 28.ª Cimeira da União Africana, onde Cabo Verde está representado pelo chefe de Estado, Jorge Carlos Fonseca, e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares.


“Graças ao forte papel de liderança em África e ao estabelecimento de parcerias inovadoras, estamos a fazer progressos sem precedentes no combate à malária”, afirmou o presidente do Chade, Idriss Déby Itno, atual dirigente máximo da ALMA.


“O sucesso destes oito países demonstra o forte impacto que a dedicação e financiamento adequado podem ter”, acrescentou, citado, num comunicado conjunto da ALMA e da União Africana.


Segundo a ALMA, Cabo Verde fez grandes progressos e alcançou excelentes resultados no seu programa de controlo da malária e teve uma elevada classificação nos seus sistemas de gestão do setor público.


A Organização Mundial da Saúde estima que o país tenha reduzido a sua taxa de incidência e de mortalidade associada à malária em mais de 40% no período decorrente e prevê também que tenha capacidade de eliminar a transmissão regional de malária até 2020.


“Cabo Verde tem sistemas consolidados que asseguram que os esforços de controlo da malária são eficientes e sustentáveis,” declarou, por seu lado, Joy Phumaphi, secretária executiva da ALMA.


De acordo com dados avançados pela ALMA, desde 2000, as taxas de mortalidade da malária em todo o continente africano baixaram em cerca de 62 por cento em todos os grupos etários, e 69 por cento em crianças até aos 5 anos.


O aumento da população que dorme sob redes tratadas com inseticidas ou protegida pela vaporização residual dos espaços interiores, os testes de diagnóstico em crianças e o tratamento de grávidas contribuíram para diminuir significativamente a taxa de incidência e de mortalidade da malária em África, segundo a ALMA.


“Estes resultados surgem numa altura em que os países africanos estão a consagrar um maior financiamento interno no combate à malária”, assegura a organização.


Apesar dos progressos, o paludismo mantém-se como “uma ameaça séria” em África.


Em 2015, 195 dos 212 milhões de novos casos de malária e 394 mil das 429 mil mortes resultantes da doença a nível mundial registaram-se no continente africano.


Fundada em 2009, a ALMA é uma coligação de Chefes de Estado e de Governo africanos, numa ação conjunta e transfronteiriça, visando erradicar a malária até 2030. Todos os países-membros da União Africana integram também a ALMA.


A possível readmissão de Marrocos, o conflito no Sudão do Sul e a eleição do próximo líder da organização dominam a cimeira da União Africana, que hoje começou na capital da Etiópia, Adis Abeba.



CFF // FPA

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Cabo Verde distinguido pelos progressos no combate à malária

Cabo Verde foi distinguido, no âmbito da cimeira da União Africana (UA), pelos resultados alcançados no combate à malária, cuja taxa de incidência e mortalidade sofreu uma redução de 40 por cento no país.