Impala

BE diz que Governo deve “chamar à pedra” acionistas da central de Almaraz que estão em Portugal

O Bloco de Esquerda defendeu que o Estado português deve “chamar à pedra” os acionistas da central nuclear de Almaraz, que são empresas protagonistas na economia portuguesa.

Lisboa, 24 jan (Lusa) — O Bloco de Esquerda defendeu hoje que o Estado português deve “chamar à pedra” os acionistas da central nuclear de Almaraz, que são empresas protagonistas na economia portuguesa.


“Chamar os acionistas [da central de Almaraz] à pedra é obrigação do Governo português”, afirmou hoje Jorge Costa, do Bloco de Esquerda (BE).


O deputado falava durante a audição do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, na comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, sobre o tema da central de Almaraz e construção do armazém para resíduos nucleares.


Para o BE, o Governo deve tomar uma posição junto dos acionistas da central — Endesa, Iberdrola e Union Fenosa — que estão no mercado português e têm algum papel em “40% da energia elétrica em Portugal”.


O BE pediu, com caráter de urgência, uma audição dos representantes dos conselhos de administração das filiais portuguesas da Iberdrola, Endesa e Gas Nattural Fenosa sobre a situação da central nuclear de Almaraz.


Durante a audição, iniciativa do Partido Ecologista Os Verdes (PEV), os partidos da oposição insistiram na necessidade de Portugal tomar uma atitude sobre o prolongamento da vida da central nuclear de Almaraz, criticando o ministro por se focar na construção do armazém e da falta de consulta a Portugal.


Heloísa Apolónia, do PEV, defendeu que o assunto da central requer uma “entrada em peso” da vertente diplomática, mas principalmente dos chefes de Governo dos dois países.


Para esta deputada, é necessário que a componente sustentabilidade seja realçada e defendida a segurança da população e o ambiente.


O ministro voltou a ser criticado, principalmente pelo PSD, através da deputada Berta Cabral, dizendo que “o Governo só tomou conhecimento do assunto com a aprovação do armazém de resíduos”.


“Ministro não seguiu o básico princípio da precaução e limitou-se a desvalorizar”, como fez com outros assuntos, salientou Berta Cabral.


“Não consigo comparar com o que fez o anterior governo [pois] uma comparação com zero é uma indeterminação, a conta não fecha”, respondeu João Matos Fernandes.


“Não digo que o anterior Governo não fez nada, constato que o anterior Governo não fez nada”, disse ainda o governante.


O ministro recordou que, assim como Portugal definiu a sua política energética, em que nuclear não existe e fez aposta nas renováveis, Espanha apostou no nuclear.


E “Espanha é soberana a definir a sua política energética”, acrescentou.



EA/SYSM // JPF

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

BE diz que Governo deve “chamar à pedra” acionistas da central de Almaraz que estão em Portugal

O Bloco de Esquerda defendeu que o Estado português deve “chamar à pedra” os acionistas da central nuclear de Almaraz, que são empresas protagonistas na economia portuguesa.