Impala

Estocolmo Cidade dos canais no norte da Europa

A Veneza do Norte estende-se por 14 ilhas, todas ligadas por pontes

Tal como a misteriosa e apaixonante cidade do nordeste da Itália, Estocolmo, a capital da Suécia, espraia-se ao longo de 14 ilhotas e ostenta canais de beleza sublime, museus inacreditáveis e muitos prédios históricos em tom pastel. Todavia, pode ser facilmente percorrida a pé…

Qualquer passeio deve começar pela Gamla Stan, a cidade velha, que ocupa três ilhas e onde pode tomar conhecimento com o coração medieval da cidade. O ponto central é o palácio Kungliga Slottet, do século XVII, renascentista, com interiores do estilo barroco e rococó.

A cidade velha foi fundada pelos vikings no século XIII, na ilha que então se chamava Stadsholmen. Aqui vai sentir-se mesmo na Escandinávia, com as ruas estreitas, as casinhas coloridas, as ruas em paralelipípedo e as pontes que ligam a ilha às outras ilhas de Estocolmo. A parte mais icónica da cidade é justamente a sua “vista” (Slussen tem a melhor vista de Gamla Stan) e os prédios da faixa ribeirinha da ilha, mas é aqui também que ficam escondidos vários outros ícones da cidade.

Em matéria de museus, Estocolmo está muito bem servida. Na Praça Stortorget localiza-se o Nobelmuseet, um museu dedicado ao Prémio Nobel e aos galardoados com essa distinção, fundado em 2001. A leste, na ilha de Skeppsholmen, fica o Moderna Museet, com obras de artistas como Kandinsky, Dalí, Magritte e Picasso. A sul, a céu aberto, fica localizado o enorme Skansen, um museu que ilustra a história social da Suécia através de 150 prédios antigos, além de ter também um zoológico. A maioria dos bares da moda fica na Praça Stureplan e na ilha de Sodermalm, reduto de músicos e artistas. Norrmalm é um bairro empresarial onde estão os edifícios mais importantes, como a Royal Opera e o National Museum.

Para os mais consumistas, o paraíso encontra-se nas grandes lojas de departamentos, galerias e lojas de “design” das ruas Hammgatam, Kungsgatan e Klarabergsgatan.
Um dos locais de visita obrigatória é o Stadshuset, a Câmara Municipal de Estocolmo; aqui pode visitar a área circundante e o edifício, assim como conhecer o salão dourado onde anualmente acontece o jantar de premiação do Prémio Nobel e o museu anexo ao edifício.

Estocolmo é um arquipélago composto por 14 ilhas; cada uma delas é um bairro e todas estão ligadas por pontes. Para poder ter a noção de todo este esplendor, nada como subir ao elevador de Slussen, do alto do qual se avista toda a cidade. Vale a pena o desvio só pela vista que oferece!
Outro dos locais de visita obrigatória é o Museu Vasa, uma homenagem à cultura “viking” sueca e que tem como principal atração o navio Vasa, que zarpou de Estocolmo em 1628 e naufragou logo depois, tendo ficado desaparecido durante vários séculos, até que foi redescoberto, semi-intacto, na década de 50. Passou vários anos a ser restaurado e, agora, está em exposição, sendo o museu mais visitado da Escandinávia!

Também a não perder é a visita à Storkyrkan (a catedral de Estocolmo), a igreja de São Nicolas, que fica mesmo no centro da cidade, ao lado do palácio real, e é a construção mais antiga da capital, considerada um exemplo autêntico de construção sueca-gótica). Do alto da sua torre pode ver todas as vielas da cidade…
O museu de arte moderna e arte a céu aberto de Estocolmo fica na ilha Skeppsholmen, sendo que uma das melhores partes está fora do edifício, no Jardim Paraíso, onde estão expostas esculturas coloridíssimas abstratas espalhadas pelo jardim, em frente ao museu!

 

Texto: Luís Peniche; Fotos: Shutterstock e DR

Onde comer
Orangeriet
Este restaurante, cocktail bar e esplanada localiza-se na margem do Norr Mälarstrand. Local da moda, os empregados são eficientes e afáveis e a decoração faz lembrar os jardins ingleses.
Preço de referência: € 80 por pessoa

Marie Laveau
Um pequeno mas aconchegante restaurante a fazer lembrar os “speakeasys” de New Orleans, sempre cheio, mas que vale a pena a visita, pelo ambiente e pela carta de comidas, esmerada e digna dos palatos mais exigentes.
Preço de referência: € 130 por pessoa

Onde ficar
Radisson Blu Strand Hotel
Originalmente inaugurado para os Jogos Olímpicos de 1912, apresenta um design clássico, quartos elegantes com uma combinação única de decoração moderna e histórica, além de uma televisão de ecrã plano, comodidades para preparar chá/café e casas de banho elegantes.
Preço de referência: € 411

Grand Hotel
Localizado à beira-mar, em frente ao Palácio Real e à Cidade Velha, fica perto da Estação Central. Dispõe de excelentes restaurantes, de um spa de luxo e os quartos proporcionam vistas para a cidade, para o pátio ou para o passeio marítimo.
Preço de referência: € 549
 

Veja mais aqui! www.vip.pt


RELACIONADOS