Aplicação de engate gay ajuda Israel a ganhar a Eurovisão

Internet está a acusar o país do Médio Oriente de manipulação. A comitiva de Israel na Eurovisão está a ser acusada de ter comprado vários espaços publicitários no «Grindr».

A comitiva de Israel na Eurovisão está a ser acusada de ter comprado vários espaços publicitários na aplicação de engate gay «Grindr».

Os apelos, sob forma de anúncios, eram para que os seus utilizadores votassem em massa na sua representante, Netta Barzilai.

LEIA MAIS:  Eurovisão 2018 Mais uma queda no festival! (Vídeo)

Ao contrário do esperado, nem todos os utilizadores deste media social ficaram satisfeitos ao ver este tipo de publicidade na plataforma. Assim, foram para outras redes sociais denunciar o caso, acusando o país do Médio Oriente de manipulação.

De acordo com os usuários, quando se abria a «app», era logo mostrado a cara da cantora, apelando ao voto «na verdadeira diva».

Como se sabe, a Eurovisão é um espetáculo muito apreciado pela comunidade LGBTI.

Fotos: DR e Reuters


RELACIONADOS

Aplicação de engate gay ajuda Israel a ganhar a Eurovisão

Internet está a acusar o país do Médio Oriente de manipulação. A comitiva de Israel na Eurovisão está a ser acusada de ter comprado vários espaços publicitários no «Grindr».