04 setembro 2015 //

siga-nos também no

Facebook Twitter RSS

Fique a par de todas as novidades e notícias do momento!

newsletter

Subscreva a Newsletter e receba as novidades e ofertas exclusivas da Impala.

inquérito

Acha que a ida de Casillas para o FCP é um retrocesso na carreira?

Sim
Não
captcha
ver resultados

horóscopo

Virgem

Virgem

24/8 - 23/9

Embora o momento não seja o mais indicado, sentirá necessidade de fazer modificações na sua vida. Procure ser mais diplomático para poder afastar situações de desentendimento. No trabalho, a sua forma de atuar perante os seus pares será duramente criticada e fará exaltar os ânimos.

ver outros signos

o que eles dizem...

António Casinhas

"Isto não vai ficar por aqui", à saída do tribunal, depois de ser condenado por violência doméstica.

António Casinhas
ver outras citações

Lusa

Educação

Serviços mínimos na greve de professores serão decididos por colégio arbitral

Serviços mínimos na greve de professores serão decididos por colégio arbitral 21h03 // 29 maio 2013 // 146 visualizações

Os sindicatos da educação e o Ministério da Educação e Ciência não chegaram a acordo sobre a definição de serviços mínimos para a greve geral de professores, tendo sido nomeado o colégio arbitral que vai tomar a decisão.

Lisboa, 29 mai (Lusa) -- Os sindicatos da educação e o Ministério da Educação e Ciência (MEC) não chegaram a acordo sobre a definição de serviços mínimos para a greve geral de professores, tendo sido nomeado o colégio arbitral que vai tomar a decisão.

"Os sindicatos todos, em uníssono, consideraram que não havia serviços mínimos. E o ministério considerou que sim, e apresentou a sua proposta", disse à Lusa o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, a propósito da reunião que hoje decorreu na Direção-Geral da Administração Pública relativa à definição de serviços mínimos para a greve geral de professores a 17 de junho, primeiro dia de exames nacionais do secundário.

"Não houve acordo e foi constituído o colégio arbitral", disse também o secretário-geral da Federação Nacional de Educação (FNE), João Dias da Silva, que espera agora a notificação que será enviada a sindicatos, federações sindicais e MEC para audição das partes pelo presidente do colégio arbitral, que irá depois tomar a decisão.

"Continuamos a defender que não deve haver serviços mínimos", acrescentou Dias da Silva, que referiu que o contrato de trabalho em funções públicas, que abrange os docentes, não prevê serviços mínimos para a educação.

O secretário-geral da FNE entende que não há motivos para serviços mínimos, até porque, ao contrário da greve de quatro dias convocada em 2005, esta greve é de apenas um dia, o primeiro de exames nacionais no ensino secundário, havendo por isso possibilidade e margem no calendário para a sua remarcação.

Mário Nogueira, do lado da Fenprof, acusou ainda o MEC de ter apresentado na reunião de hoje uma proposta para "serviços mínimos máximos", ao ter proposto que se apresentem ao trabalho no dia da greve todos os docentes ligados ao serviço de vigilância e secretariado nos exames.

IMA // GC.

Lusa/fim

adicionar comentário

mensagens

Ana - À procura do amor Maria - Troca de Mensagens
Momentos inesquecíveis são para partilhar! Aproveite o nosso espaço para mostrar os destinos por onde viaja.