Impala

Pedro Martins quer que Vitória mantenha os “níveis de concretização” frente ao Benfica

O treinador do Vitória de Guimarães, Pedro Martins, afirmou que os seus jogadores devem ser “eficazes” no ataque para derrotarem o Benfica, líder da I Liga portuguesa de futebol, em jogo da 16.ª jornada, no sábado.

Guimarães, Braga, 06 jan (Lusa) – O treinador do Vitória de Guimarães, Pedro Martins, afirmou hoje que os seus jogadores devem ser “eficazes” no ataque para derrotarem o Benfica, líder da I Liga portuguesa de futebol, em jogo da 16.ª jornada, no sábado.


O técnico antecipou que o duelo de sábado, em Guimarães, vai ser “competitivo” e garantiu que, apesar de “encontrar uma equipa candidata ao título”, que lidera a prova, com 38 pontos, a turma vitoriana, quinta, com 30, vai manter a “essência de futebol ofensivo”, até por ser a terceira equipa mais concretizadora da prova, com 27 golos marcados.


“Espero que os níveis de concretização e de eficácia continuem muito positivos. Temos de trabalhar muito, ser concentrados e solidários no processo defensivo e, depois, fazer aquilo que normalmente fazemos, porque do outro lado está uma grande equipa, mas que tem lacunas que queremos potenciar de forma a conseguirmos os tais golos”, disse, em conferência de imprensa de antevisão à partida.


O timoneiro vitoriano mostrou-se, por isso, pouco preocupado com a ausência de Marega, melhor marcador da equipa, com 10 golos, que já integrou a seleção do Mali, tendo em vista a Taça das Nações Africanas (CAN), com início a 14 de janeiro, no Gabão, tendo referido que há mais jogadores no plantel capazes de marcar.


“Já tivemos o Marega e perdemos, já não tivemos Marega e vencemos. Todos nos dão garantias. O Hernâni vem de uma sequência de quatro jogos a fazer golos constantemente, sempre que foi utilizado. O próprio Hurtado, além do rendimento que já estava a ter anteriormente, neste momento está a fazer golos”, enumerou.


Pedro Martins recusou atribuir favoritismo a qualquer das equipas, justificando que tanto os vimaranenses, como as ‘águias’ têm a sua responsabilidade, bem como revelar se a formação de Rui Vitória é a mais difícil que vai ter pela frente até agora, nesta época.


O técnico considerou ainda que jogar em casa pode ser relevante para o desfecho do embate com o líder do campeonato, salientando que os adeptos vitorianos vão estar em maioria e vão criar um “ambiente muito bom” que pode impulsionar a equipa, apesar da mesma ter mais pontos fora de casa, até agora – 18 fora e 12 em casa.


“Estamos a fazer do nosso estádio a grande fortaleza. Não temos tantos pontos em casa como fora. No entanto só perdemos um jogo em casa, o primeiro [derrota com o Sporting de Braga, por 1-0], e, na minha perspetiva, de uma forma muito infeliz”, recordou.


O técnico mencionou também o bom trabalho realizado pelo plantel durante a semana e as “grandes respostas” dadas pelos jogadores menos utilizados, quando são chamados, reiterando que existem soluções para “colmatar” tanto a ausência de Marega, como a do médio Rafael Miranda, que não treinou hoje de manhã.


“Temos atletas com grandes condições e qualidade para os substituir, sem que a equipa seja afetada no seu rendimento global”, frisou.


Questionado sobre a polémica ligada às arbitragens nos jogos da Taça da Liga desta semana, Pedro Martins pediu “tranquilidade” para todos os agentes do futebol, desde arbitragem, realçando que “toda a gente é responsável por um desporto que é apaixonante” e por tudo o que “ele atrai”.


O Vitória de Guimarães, quinto classificado, com 30 pontos, recebe o Benfica, líder do campeonato, com 38, pelas 18h15 de sábado, no Estádio D. Afonso Henriques, em jogo que será arbitrado por Nuno Almeida, da Associação de Futebol do Algarve.



TYME // NFO


Lusa/fim


RELACIONADOS

Pedro Martins quer que Vitória mantenha os “níveis de concretização” frente ao Benfica

O treinador do Vitória de Guimarães, Pedro Martins, afirmou que os seus jogadores devem ser “eficazes” no ataque para derrotarem o Benfica, líder da I Liga portuguesa de futebol, em jogo da 16.ª jornada, no sábado.