Impala

Fabiano Soares protagoniza a sétima ‘chicotada’ da temporada na I Liga

O brasileiro Fabiano Soares protagonizou a sétima ‘chicotada psicológica’ da I Liga portuguesa de futebol em 2016/17, ao abandonar o comando técnico do Estoril-Praia, após 13 jornadas do campeonato.

Redação, 11 dez (Lusa) — O brasileiro Fabiano Soares protagonizou hoje a sétima ‘chicotada psicológica’ da I Liga portuguesa de futebol em 2016/17, ao abandonar o comando técnico do Estoril-Praia, após 13 jornadas do campeonato.


A saída de Fabiano Soares surge na sequência da derrota dos ‘canarinhos’ no terreno do Vitória de Setúbal, por 2-0, no arranque da jornada, resultado que pode fazer o Estoril-Praia ‘cair’ para o 13.º posto da prova.


Fabiano Soares segue-se à saída de Carlos Pinto no Paços de Ferreira, na 11.ª jornada, sendo que até agora os ‘castores’ ainda não anunciaram substituto.


Antes de Carlos Pinto, tinha sido Pepe no Moreirense, técnico que entretanto foi rendido por Augusto Inácio, que regressou assim à equipa de Moreira de Cónegos.


Nuno Capucho deixou o Rio Ave, por mútuo acordo, após uma derrota com o Boavista, por 2-1, na última ronda, com Luís Castro, ex-treinador do FC Porto B, a assumir o comando dos vila-condenses.


O primeiro treinador a sofrer uma ‘chicotada psicológica’ foi o brasileiro Paulo César Gusmão, que deixou o Marítimo à quinta jornada, duas rondas antes de o espanhol Julio Velázquez e de o boliviano Erwin Sanchez saírem de Belenenses e Boavista, respetivamente.



– Alterações de treinadores na I Liga de futebol 2016/17:


Jornada Clube Sai Entra


5.ª Marítimo Paulo César Gusmão Daniel Ramos


7.ª Belenenses Julio Velázquez Quim Machado


7.ª Boavista Erwin Sanchez Miguel Leal


10.ª Rio Ave Nuno Capucho Luís Castro


10.ª Moreirense Pepa Augusto Inácio


11.ª P. Ferreira Carlos Pinto A designar


13.ª Estoril Fabiano Soares A designar



LG (RPM/RPC/NFO) // NF


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Fabiano Soares protagoniza a sétima ‘chicotada’ da temporada na I Liga

O brasileiro Fabiano Soares protagonizou a sétima ‘chicotada psicológica’ da I Liga portuguesa de futebol em 2016/17, ao abandonar o comando técnico do Estoril-Praia, após 13 jornadas do campeonato.